Arquivo da categoria: Um pouco de Quase tudo

união de descobertas

Using Microsoft Access as a Front-end to MySQL

Using Microsoft Access as a Front-end to MySQL



You can use Microsoft Access as a front end to MySQL by linking tables within your Microsoft Access database to tables that exist within your MySQL database. When a query is requested on a table within Access, ODBC is used to execute the queries on the MySQL database.

To create a linked table:

  1. Open the Access database that you want to link to MySQL.
  2. On the External Data tab, choose ODBC Database.

    Figure 6.12 External Data: ODBC Database

    Content is described in the surrounding text.
  3. In the Get External Data dialog box that appears, choose Link to the data source by creating a linked table and click OK.

    Figure 6.13 Get External Data: Link To ODBC Database Option Chosen

    Shows the "Get External Data" dialog with two options: Import the source data into a new table in the current database, and Link to the data source by creating a linked table (selected).
  4. The Select Data Source dialog box appears; it lists the defined data sources for any ODBC drivers installed on your computer. Click either the File Data Source or Machine Data Source tab, and then double-click the Connector/ODBC DSN you want to link your table to. To define a new DSN for Connector/ODBC instead, click New and follow the instructions in Section 5.3, “Configuring a Connector/ODBC DSN on Windows”; double click the new DSN after it has been created.

    Figure 6.14 Selecting An ODBC Database

    Shows the Select Data Source dialog with two tabs: "File Data Source" and "Machine Data Source." The Machine Data Source tab is selected and displays three columns: Data Source Name, Type, Description. The selected row has "MySQL 5.7" defined as the Data Source Name, and "System" as the Type.


    If the ODBC data source that you selected requires you to log in, enter your login ID and password (additional information might also be required), and then click OK.

  5. Microsoft Access connects to the MySQL server and displays the list of tables that you can link to. Choose the tables you want to link to (or click Select All), and then click OK.

    Figure 6.15 Link Tables Dialog: Selecting Tables to Link

    Content is described in the surrounding text.


    Notes
    • If no tables show up for you to select, it might be because you did not choose the Database to connect to when you defined or logged in to the DSN. Reconfigure the DSN and specify the Databaseto connect to (see Section 5.3, “Configuring a Connector/ODBC DSN on Windows” for details), or choose a Database when you log in to the DSN.
    • If your database on Access already has a table with the same name as the one you are linking to, Access will append a number to the name of the new linked table.
  6. If Microsoft Access is unable to determine the unique record identifier for a table automatically, it will ask you to choose a column (or a combination of columns) to be used to uniquely identify each row from the source table. Select the column[s] to use and click OK.

    Figure 6.16 Linking Microsoft Access Tables To MySQL Tables, Choosing Unique Record Identifier

    Shows the "Select Unique Record Identifier" dialog with a list of fields in the selected table. In this example, the table name is cats2 and the unique fields are CatID, CatName, OwnerID, and Birthday. The available buttons are "OK" and "Cancel".

Once the process has been completed, you can build interfaces and queries to the linked tables just as you would for any Access database.

Use the following procedure to view links or to refresh them when the structures of the linked tables have changed.

To view or refresh links:

  1. Open the database that contains links to MySQL tables.
  2. On the External Data tab, choose Linked Table Manager.

    Figure 6.17 External Data: Linked Table Manager

    Shows "Linked Table Manager" under the "External Data" tab in Microsoft Access. Underneath are two panes: The All Access Objects pane shows the available tables, and the second pane shows data from the table. The "cats2" table is selected.
  3. The Linked Table Manager appears. Select the check box for the tables whose links you want to refresh. Click OK to refresh the links.

    Figure 6.18 External Data: Linked Table Manager Dialog

    Shows the "Linked Table Manager" dialog with the cats2 table selected with its associated checkbox selected.


    If the ODBC data source requires you to log in, enter your login ID and password (additional information might also be required), and then click OK.

Microsoft Access confirms a successful refresh or, if the tables are not found, returns an error message, in which case you should update the links with the steps below.

To change the path for a set of linked tables (for pictures of the GUI dialog boxes involved, see the instructions above for linking tables and refreshing links) :

  1. Open the database that contains the linked tables.
  2. On the External Data tab, choose Linked Table Manager.
  3. In the Linked Table Manager that appears, select the Always Prompt For A New Location check box.
  4. Select the check box for the tables whose links you want to change, and then click OK.
  5. The Select Data Source dialog box appears. Select the new DSN and database with it.

FONTE: https://dev.mysql.com/doc/connector-odbc/en/connector-odbc-examples-tools-with-access-linked-tables.html

Como configurar as Portas (COM e LPT) do Windows 10


Pressione as teclas Windows + X e clique em Gerenciador de dispositivos;

Imagem

Em Gerenciado de dispositivos clique em Ação e Adicionar hardware herdado;

Imagem

Na janela aberta clique em Avançar;

Imagem

Na próxima janela selecione em Procurar e instalar automaticamente o hardware (recomendável) e clique emAvançar;

Imagem

Na janela seguinte será apresentado uma lista, encontre e selecione a opção Portas (COM e LPT) e clique emAvançar; 

Imagem

 

Na tela seguinte na coluna Fabricante deixe selecionado (Tipo de porta padrão) e em modelo Porta de comunicação e clique em Avançar;

 

Imagem

Agora clique em Concluir.

Configurando o Arduino no Windows


Configurando o Arduino no Windows

Como conectar o Arduino no seu computador Windows e rodar o seu primeiro programa

Este tutorial foi traduzido e adaptado das instruções de instalação do site oficial do Arduino, e é disponibilizado sob uma licença Creative Commons CC BY-SA 3.0.

Você deve seguir os seguintes passos:

  1. Obter uma placa Arduino e um cabo USB
  2. Fazer o download do ambiente de desenvolvimento do Arduino
  3. Conectar a placa
  4. Instalar os drivers
  5. Executar o aplicativo do Arduino
  6. Abrir o exemplo “Blink”
  7. Selecionar a sua placa
  8. Selecionar a porta serial
  9. Fazer upload do programa

1. Obter uma placa Arduino e um cabo USB

Neste tutorial, assumimos que você está usando um Arduino Uno, Arduino Duemilanove, Nano, Arduino Mega 2560, Diecimila ou então um Alevino com o Nanoshield USB. Se você tem alguma outra placa, veja o tutorial correspondente na página do produto.

Você também vai precisar de um cabo USB padrão (conector A para conector B): o tipo de cabo que você conectaria a uma impressora USB, por exemplo. Para o Arduino Nano ou o Alevino com Nanoshield USB, você vai precisar, no entanto, de um cabo com conector A para Mini-B.

2. Fazer o download do ambiente de desenvolvimento do Arduino

Obtenha a última versão da página de download.

Quando o download teminar, descompacte o arquivo baixado, garantindo que a estrutura das pastas seja mantida. Dê um duplo clique na pasta para abrí-la. Deve haver alguns arquivos e sub-pastas dentro.

3. Conectar a placa

O Arduino Uno, Mega, Duemilanove, Arduino Nano e o Alevino com Nanoshield USB obtêm energia automaticamente seja da conexão USB ou de um fonte de alimentação externa. Se você está usando um Arduino Diecimila, é preciso configurar a placa para obter energia da conexão USB. A fonte de energia da placa é selecionada com um jumper, uma pequena peça de plástico que se encaixa em dois dos três pinos que ficam entre os conectores USB e de energia. Verifique que ele está nos dois pinos mais próximos da porta USB.

Conecte o Arduino ao seu computador usando o cabo USB. O LED verde de energia (marcado como PWR) deve acender.

4. Instalar os drivers

Instalando drivers para o Arduino Uno ou Arduino Mega 2560 no Windows7, Vista, ou XP:

  • Conecte a sua place e aguarde até que o Windows inicie o processo de instalação de drivers. Depois de alguns instantes, o processo irá falhar.
  • Clique no menu iniciar e vá até o Painel de Controle
  • Selecione Sistema e Segurança > Sistema > Gerenciador de Dispositivos.
  • Procure na seção “Portas (COM e LPT)”. Você deverá encontrar um porta aberta chamada “Arduino UNO (COMxx)”.
  • Clique com o botão direito na porta “Arduino UNO (COMxx)” e selecione “Atualizar Driver…”.
  • Depois selecione a opção “Procurar software de driver no computador”.
  • Finalmente, navegue até a pasta “drivers” dentro do aplicativo do Arduino, na pasta que foi descompactada anteriormente, e selecione o arquivo “arduino.inf”.
  • A partir daí, o Windows completará a instalação dos drivers.

Instalando drivers para o Arduino Duemilanove, Nano, Diecimila ou Alevino com Nanoshield USB no Windows7, Vista, ou XP:

Quando você conectar a placa, o Windows deve iniciar o processo de instalação dos drivers, caso você ainda não tenha usado o computador com um Arduino antes.

A janela “Adicionar novo hardware” irá aparecer:

  • Nessa janela, selecione “Não, não agora” e clique em avançar.
  • Selecione “Instalar o driver de uma lista ou um lugar especifico (avançado)” e clique em avançar.
  • Verifique que “Procurar o melhor driver nesses lugares especifícos” está selecionado; deselecione “Procurar em mídias removiveis”; selecione “Incluir este lugar na procura” e vá até o diretório “drivers” do Arduino, dentro da pasta que você descompactou anteriormente (a versão mais atual dos drivers pode ser encontrada no site da FTDI). Depois, clique em avançar.
  • O Windows irá procurar pelo driver e dizer que um “USB Serial Converter” foi encontrado. Clique em finalizar.
  • A janela “Adicionar novo hardware” aparecerá novamente. Siga os mesmos passos, selecionando as mesmas opções e o mesmo diretório. Dessa vez, uma “USB Serial Port” será encontrada.
  • Você pode verificar que os drivers foram instalados clicando no menu iniciar e depois em Painel de Controle > Sistema e Segurança > Sistema > Gerenciador de Dispositivos. Procure por uma “USB Serial Port” na seção “Portas (COM e LPT)”.

5. Executar o aplicativo do Arduino

Dê um clique duplo no aplicativo do Arduino. Se o software do Arduino abrir no idioma errado, você pode mudá-lo na janela de preferências (File > Preferences ou Arquivo > Preferências) – veja essa página do Arduino para mais detalhes. Daqui por diante vamos assumir que o idioma escolhido é o português do Brasil.

6. Abrir o exemplo “Blink”

Abra o programa de exemplo “Blink”: File > Exemplos > 1.Basics > Blink.

7. Selecionar a sua placa

Você precisa selecionar a opção do menu Ferramentas > Placa que corresponde ao seu tipo de Arduino.

Para o Alevino com Nanoshield USB, use Arduino Nano w/ ATmega328. Para placas Duemilanove com um ATmega328 (veja o texto no chip da placa), selecione Arduino Duemilanove or Nano w/ ATmega328. Anteriormente, as placas Arduino vinham com um ATmega168; para elas, selecione Arduino Diecimila, Duemilanove, or Nano w/ ATmega168 (detalhes das opções do menu de placas estão disponíveis nessa página do Arduino).

8. Selecionar a porta serial

Selecione o dispositivo serial correspondente à placa do Arduino no menu Ferramentas > Porta Serial. É provável que ele seja COM3 ou maior (COM1 e COM2 são normalmente reservados para portas seriais nativas, e não por USB). Para descobrir, você pode desconectar o seu Arduino e reabrir o menu; a opção que desaparecer deve ser a da placa do Arduino. Reconecte a placa e selecione a porta serial.

9. Fazer upload do programa

Agora, simplesmente clique o botão “Carregar” no ambiente de desenvolvimento. Espere alguns segundos – você deve ver os LEDs RX e TX na placa piscando. Se o upload for bem sucedido, a mensagem “Transferência concluída.” vai aparecer na barra de status. (Nota: Se você possui um Arduino Mini, NG, ou outra placa não mencionada aqui, você pode ter que pressionar fisicamente o botão de reset na placa imediatamente antes de apertar o botão de upload).

Alguns segundos após o upload terminar, você deve ser o LED do pino 13 na placa começar a piscar. Se isso aconteceu, parabéns! Você conseguiu configurar o Arduino e rodar o seu primeiro programa.

Se você tiver problemas, verifique a página de resolução de problemas do site do Arduino.

Referência:

Circuitar: https://www.circuitar.com.br/tutoriais/configurando-o-arduino-no-windows/index.html

VNC (VIRTUAL NETWORK COMPUTING) RASPBERRY PI



Sometimes it is not convenient to work directly on the Raspberry Pi. Maybe you would like to work on it from another device by remote control.

VNC is a graphical desktop sharing system that allows you to remotely control the desktop interface of one computer (running VNC Server) from another computer or mobile device (running VNC Viewer). VNC Viewer transmits the keyboard and either mouse or touch events to VNC Server, and receives updates to the screen in return.

You will see the desktop of the Raspberry Pi inside a window on your computer or mobile device. You’ll be able to control it as though you were working on the Raspberry Pi itself.

Pi Desktop as seen from a mobile device

VNC Connect from RealVNC is included with Raspbian. It consists of both VNC Server, which allows you to control your Raspberry Pi remotely, and VNC Viewer, which allows you to control desktop computers remotely from your Raspberry Pi should you want to.

You must enable VNC Server before you can use it: instructions for this are given below. By default, VNC Server gives you remote access to the graphical desktop that is running on your Raspberry Pi, as though you were sitting in front of it.

However, you can also use VNC Server to gain graphical remote access to your Raspberry Pi if it is headless or not running a graphical desktop. For more information on this, see Creating a virtual desktop, further below.

ENABLING VNC SERVER

On your Raspberry Pi, run the following commands to make sure you have the latest version of VNC Connect:

sudo apt-get update
sudo apt-get install realvnc-vnc-server realvnc-vnc-viewer

Now enable VNC Server. You can do this graphically or at the command line.

ENABLING VNC SERVER GRAPHICALLY

  • On your Raspberry Pi, boot into the graphical desktop.
  • Select Menu > Preferences > Raspberry Pi Configuration > Interfaces.
  • Ensure VNC is Enabled.

ENABLING VNC SERVER AT THE COMMAND LINE

You can enable VNC Server at the command line using raspi-config:

sudo raspi-config

Now, enable VNC Server by doing the following:

  • Navigate to Interfacing Options.
  • Scroll down and select VNC > Yes.

CONNECTING TO YOUR RASPBERRY PI WITH VNC VIEWER

There are two ways to connect to your Raspberry Pi. You can use either or both, depending on what works best for you.

ESTABLISHING A DIRECT CONNECTION

Direct connections are quick and simple providing you’re joined to the same private local network as your Raspberry Pi. For example, this might be a wired or wireless network at home, at school, or in the office).

  • On your Raspberry Pi (using a terminal window or via SSH) use these instructions or run ifconfig to discover your private IP address.
  • On the device you’ll use to take control, download VNC Viewer. For best results, use the compatible app from RealVNC.
  • Enter your Raspberry Pi’s private IP address into VNC Viewer:

    VNC Viewer dialog showing IP address

ESTABLISHING A CLOUD CONNECTION

You are entitled to use RealVNC’s cloud service for free, provided that remote access is for educational or non-commercial purposes only.

Cloud connections are convenient and encrypted end-to-end. They are highly recommended for connecting to your Raspberry Pi over the internet. There’s no firewall or router reconfiguration, and you don’t need to know the IP address of your Raspberry Pi, or provide a static one.

  • Sign up for a RealVNC account here: it’s free and it only takes a few seconds.
  • On your Raspberry Pi, sign in to VNC Server using your new RealVNC account credentials:

    VNC Server dialog showing sign in

  • On the device you’ll use to take control, download VNC Viewer. You must use the compatible app from RealVNC.
  • Sign in to VNC Viewer using the same RealVNC account credentials, and then either tap or click to connect to your Raspberry Pi:

    VNC Viewer dialog showing sign in

AUTHENTICATING TO VNC SERVER

To complete either a direct or cloud connection, you must authenticate to VNC Server.

If you’re connecting from the compatible VNC Viewer app from RealVNC, enter the user name and password you normally use to log in to your user account on the Raspberry Pi. By default, these credentials are pi and raspberry.

If you’re connecting from a non-RealVNC Viewer app, you’ll first need to downgrade VNC Server’s authentication scheme, specify a password unique to VNC Server, and then enter that instead.

  • If you are in front of your Raspberry Pi and can see its screen, open the VNC Server dialog on your Raspberry Pi, select Menu > Options > Security, and choose VNC password from the Authentication dropdown.
  • Or if you’re configuring your Raspberry Pi remotely from the command line, then to make the changes for Service Mode (the default configuration for the Raspberry Pi):
    • Open the /root/.vnc/config.d/vncserver-x11 config file.
    • Replace Authentication=SystemAuth with Authentication=VncAuth and save the file.
    • In the command line, run sudo vncpasswd -service. This will prompt you to set a password, and will insert it for you in the right config file for VNC Server running in Service Mode.
    • Restart VNC Server.

PLAYING MINECRAFT AND OTHER DIRECTLY RENDERED APPS REMOTELY

You can remotely access apps which use a directly rendered overlay, such as Minecraft, the text console, the Raspberry Pi Camera Module, and more.

Minecraft running on Raspberry Pi via VNC

To turn this feature on:

  • On your Raspberry Pi, open the VNC Server dialog.
  • Navigate to Menu > Options > Troubleshooting and select Enable experimental direct capture mode.
  • On the device you’ll use to take control, run VNC Viewer and connect.

    Note: existing connections must be restarted in order for these changes to take effect.

Please note that direct screen capture is an experimental feature. If you’re connecting from a desktop computer and mouse movements seem erratic, try pressing F8 to open the VNC Viewer shortcut menu and selecting Relative Pointer Motion.

If performance seems impaired, try these troubleshooting steps, or let RealVNC know.

CREATING A VIRTUAL DESKTOP

If your Raspberry Pi is headless (i.e. not plugged into a monitor) or controlling a robot, it is unlikely to be running a graphical desktop.

VNC Server can create a virtual desktop for you, giving you graphical remote access on demand. This virtual desktop exists only in your Raspberry Pi’s memory:

Connecting to an in-memory virtual desktop

To create and connect to a virtual desktop:

  • On your Raspberry Pi (using Terminal or via SSH), run vncserver. Make note of the IP address/display number that VNC Server will print to your Terminal (e.g. 192.167.5.149:1).
  • On the device you’ll use to take control, enter this information into VNC Viewer.

To destroy a virtual desktop, run the following command:

vncserver -kill :<display-number>

This will also stop any existing connections to this virtual desktop.

CMD Chommand



 

Resultado de imagem para lista de comando cmd windows 10

Painel de controle

pushd \\Server\Volume –>Acesso a pasta no servidor
dir
popd

ACCESS.CPL: abre as opções de acesso (só no XP);
APPWIZ.CPL: abre a ferramenta Adicionar/Excluir um programa;
AZMAN.MSC: abre o gerenciador de autorizações (só no Vista);
CERTMGR.MSC: abre os certificados para o usuário atual;
CLICONFG: abre a configuração dos clientes SQL;
COLLAB.CPL: abre a visualização instantânea (só no Vista);
COMEXP.MSC ou DCOMCNFG: abre a ferramenta de serviços e componentes (só no Vista);
COMPMGMT.MSC: abre a ferramenta de gestão do computador;
COMPUTERDEFAULTS: abre a ferramenta dos programas padrão (só no Vista);
CONTROL /NAME MICROSOFT.BACKUPANDRESTORECENTER: abre o centro de backup e de restauração (só no Vista);
CONTROL ADMINTOOLS: abre as ferramentas de administração;
CONTROL COLOR: abre as propriedades de exibição;
CONTROL FOLDERS: abre as opções de pastas;
CONTROL FONTS: abre o gerenciador de caracteres;
CONTROL INTERNATIONAL ou INTL.CPL: abre as opções regionais e linguísticas;
CONTROL KEYBOARD: abre as propriedades do teclado;
CONTROL MOUSE ou MAIN.CPL: abre as propriedades do mouse;
CONTROL PRINTERS: impressoras e faxes disponíveis;
CONTROL USERPASSWORDS: abre as contas dos usuários;
CONTROL USERPASSWORDS2 ou NETPLWIZ: controla os usuários e seus acessos;
CONTROL: abre o Painel de controle;
CREDWIZ: abre a ferramenta de backup e de restauração de senhas dos usuários (só no Vista);
DESK.CPL: abre as configurações de exibição;
DEVMGMT.MSC: abre o gerenciador de dispositivos;
DRWTSN32: abre o Dr. Watson (só no XP);
DXDIAG: abre a ferramenta de diagnóstico DirectX;
EVENTVWR ou EVENTVWR.MSC: abre o observador de eventos;
FSMGMT.MSC: abre as pastas compartilhadas;
GPEDIT.MSC: abre o editor de estratégias de grupo (para edições profissionais do Windows);
HDWWIZ.CPL: abre o assistente para adicionar hardware;
INFOCARDCPL.CPL: abre o assistente de compatibilidade de programas;
IRPROPS.CPL: abre o gerenciador de infravermelho;
ISCSICPL: abre a ferramenta de configuração do iniciador ISCI Microsoft (só no Vista);
JOY.CPL: abre a ferramenta do controlador de jogos;
LPKSETUP: abre o assistente de instalação e desinstalação dos idiomas de exibição (só no Vista);
LUSRMGR.MSC: abre o editor de usuários locais e grupos;
MDSCHED: abre a ferramenta de diagnósticos da memória do Windows (só no Vista);
MMC: abre um novo console vazio;
MMSYS.CPL: abre as configurações de som;
MOBSYNC: abre o centro de sincronização;
MSCONFIG: abre a ferramenta de configuração do sistema;
NAPCLCFG.MSC: abre a ferramenta de configuração do cliente NAP (só no Vista);
NTMSMGR.MSC: abre o gerenciador de suporte de armazenamento removível;
NTMSOPRQ.MSC: abre as solicitações do operador de armazenamento removível;
ODBCAD32: abre o administrador de fonte de dados ODBC;
OPTIONALFEATURES: abre a ferramenta Adicionar/Excluir componentes do Windows (só no Vista);
PERFMON ou PERFMON.MSC: abre o monitor de confiabilidade e de desempenho Windows;
POWERCFG.CPL: abre o gerenciador de modos de alimentação (só no Vista);
REGEDITou REGEDT32: abre o editor de registro (só no Vista);
REKEYWIZ: abre o gerenciador de certificados de criptografia de arquivos (só no Vista);
RSOP.MSC: abre o conjunto resultante de diretivas;
SECPOL.MSC: abre as configurações de segurança local;
SERVICES.MSC: abre o gerenciador de serviços;
SLUI: abre o assistente de ativação do Windows (só no Vista);
SYSDM.CPL: abre as propriedades do sistema;
SYSEDIT: abre o editor de configuração do sistema (atenção, manipular com cautela);
SYSKEY: abre o utilitário de proteção do banco de dados das contas do Windows (atenção, manipular com extrema cautela);
SYSPREP: abre a pasta com a ferramenta de preparação do sistema (só no Vista);
TABLETPC.CPL: abre as configurações para Tablet PC (só no Vista);
TASKSCHD.MSC ou CONTROL SCHEDTASKS: abre o planejador de tarefas (só no Vista);
TELEPHON.CPL: abre a ferramenta de conexão telefônica;
TIMEDATE.CPL: abre as configurações de hora e data;
TPM.MSC: abre a ferramenta de gestão de módulo de plataforma protegida no computador local (só no Vista);
UTILMAN: abre as opções de ergonomia (só no Vista);
VERIFIER: abre o gerenciador de verificação de drivers;
WMIMGMT.MSC: abre o Windows Management Infrastructure;
WSCUI.CPL: abre o centro de segurança do Windows;
WUAUCPL.CPL: abre o serviço de atualização do Windows (só no XP).

Comandos para abrir programas e ferramentas do Windows

%WINDIR%\SYSTEM32\RESTORE\RSTRUI.EXE: abre a ferramenta de restauração do sistema (só no XP);
CALC: abre a calculadora;
CHARMAP: abre a tabela de caracteres;
CLIPBRD: abre a área de transferência (só no XP);
CMD: abra o interpretador de comandos (prompt);
DIALER: abre o numerador telefônico do Windows;
DVDPLAY: abre seu leitor DVD;
EUDCEDIT: abre o editor de caracteres privados;
EXPLORER: abre o Windows Explorer;
FSQUIRT: abre o assistente de transferência de arquivos Bluetooth;
IEXPLORE: abre Internet Explorer;
IEXPRESS: abre o assistente de criação dos arquivos auto-extraíveis;
JOURNAL: abre um novo registrador (só no Vista);
MAGNIFY: abre a lupa;
MBLCTR: abre o centro de mobilidade do Windows (só no Vista);
MIGWIZ: abre a ferramenta de transferência de arquivos e configurações do Windows (só no Vista);
MIGWIZ.EXE: abre a ferramenta de transferência de arquivos e de configurações do Windows (só no XP);
MOVIEMK: abre o Windows Movie Maker;
MRT: abre a ferramenta de remoção de malwares;
MSDT: abre a ferramenta de diagnósticos e suporte da Microsoft;
MSINFO32: abre as informações do sistema;
MSPAINT: abre o Paint;
MSRA: abre a assistência remota do Windows;
MSTSC: abre a ferramenta de conexão da assistência remota;
NOTEPAD: abre o bloco de notas;
OSK: abre o teclado visual;
PRINTBRMUI: abre o assistente de migração da impressora (só no Vista);
RSTRUI: abre a ferramenta de restauração do sistema (só no Vista);
SIDEBAR: abre a barra do Windows (só no Vista);
SIGVERIF: abre a ferramenta de verificação da assinatura do arquivo;
SNDVOL: abre as propriedades do volume;
SNIPPINGTOOL: abre a ferramenta captura de tela (só no Vista);
SOUNDRECORDER: abre o gravador;
STIKYNOT: abre o lembrete (só no Vista);
TABTIP: abre o painel de entrada dados de Tablet PC (só no Vista);
TASKMGR: abre o gerenciador de tarefas do Windows;
WAB: abre os contatos (só no Vista);
WERCON: abre a ferramenta de relatórios e de soluções de problemas (só no Vista);
WINCAL: abre o calendário do Windows (só no Vista);
WINCHAT: abre o software Microsoft de bate-papo na net (só no XP);
WINDOWSANYTIMEUPGRADE: permite a atualização do Windows Vista;
WINVER: abre a janela para que você conheça a versão do seu Windows;
WINWORD: abre o Word (se estiver instalado);
WMPLAYER: abre o Windows Media Player;
WRITE ou Wordpad: abre o Wordpad.

Comandos para administrar os discos

CHKDSK: efetua análises da partição especificadas nas configurações do comando (para mais informações, digite CHKDSK /? no interpretador de comandos);
CLEANMGR: abre a ferramenta de limpeza do disco;
DEFRAG: desfragmenta o disco rígido;
DFRG.MSC: abre a ferramenta de desfragmentação do disco;
DISKMGMT.MSC: abre o gerenciador de discos;
DISKPART: abre a ferramenta de particionamento (manipulação pesada).

Comandos de gestão das redes e Internet

CONTROL NETCONNECTIONS ou NCPA.CPL: abre as conexões da rede;
FIREWALL.CPL: abre o firewall do Windows;
INETCPL.CPL: abre as propriedades da Internet;
IPCONFIG: exibe as configurações dos endereços IP no computador;
NETSETUP.CPL: abre o assistente de configuração de rede (só no XP);
WF.MSC: abre as funções avançadas do firewall do Windows (só no Vista).

Outros comandos do Windows

%HOMEDRIVE%: abre o explorador na partição onde o sistema operacional está instalado;
%HOMEPATH%: abre a pasta do usuário conectado C:\Documents and settings\[nome do usuário];
%PROGRAMFILES%: abre a pasta de instalação de outros programas;
%TEMP% ou %TMP%: abre a pasta temporária;
%USERPROFILE%: abre a pasta do perfil do usuário conectado;
%WINDIR% ou %SYSTEMROOT% : abre a pasta de instalação do Windows;
%WINDIR%\system32\rundll32.exe shell32.dll,Control_RunDLL hotplug.dll: exibe a janela “Retirar o dispositivo com segurança”;
AC3FILTER.CPL: abre as propriedades do filtro AC3 (se instalado);
FIREFOX: executa o Mozilla Firefox (se instalado);
JAVAWS: visualiza o cache do software JAVA (se instalado);
LOGOFF: fecha a sessão;
NETPROJ: autoriza ou não a conexão a um projetor de rede (só no Vista);
SFC /SCANNOW: varre, imediatamente, todos os arquivos do sistema e localiza os que estão danificados;
SFC/VERIFYONLY: varre apenas os arquivos do sistema;
SFC/SCANFILE=”nome e caminho do arquivo”: varre o arquivo especificado e repara, caso esteja danificado;
SFC/VERIFYFILE=”nome e caminho do arquivo”: varre apenas o arquivo especificado;
SFC/SCANONCE: varre os arquivos do sistema no arranque seguinte;
SFC/REVERT: restabelece a configuração inicial (para mais informações, digite SFC /? no interpretador de comandos);
SHUTDOWN: desliga o Windows;
SHUTDOWN-A: interrompe a desconexão do Windows;
VSP1CLN: remove o cache de instalação do serviço pack 1 do Vista.

Motor Stirling



Motor Stirling Gama

 Fala Galera!

Nesse post vamos falar sobre o motor Stirling.

Para não ficar só no motor, vamos desenvolver um motor com 4 cilindros em serie utilizando latinhas de Red-bull.

 

Com esse motor vamos mover um carro e vamos controlar usando um celular comunicando-se com o arduino com auxilio de um chield Wifi ou Xbee.

Segue abaixo o primeiro protótipo do motor, existem vários posts como esse pela net (eu segui esse). Acredito que o diferencial desse post, será a aplicação do motor para mover um um pequeno veiculo e controle remoto usando o celular e Arduino. Vamos ter atividades na área de mecânica, eletrônica e programação.

Imagem de Amostra do You Tube

Beleza… eu admito que o vídeo ficou uma bosta, mas eu prometo que o projeto vai valer a pena!!

No post não vou falar como fazer o motor. Você pode seguir o passo a passo acessando o Manual do motor Stirling. Onde você pode encontrar todos os detalhes de como fazer seu primeiro motor, um pouco da história, etc.!

Vamos nos atentar a parte nova do projeto, que seria a construção do motor com 4 cilindros!

Eu volto com o restante do Post 🙂

Mas até lá, sinta-se livrre para deixar seu comentário, sugestão, correções etc.

Fiquem com Deus!

 

Sobre o autor!



Pablo & Joyce

Eu Pablo e minha esposa Joyce, que me ajuda e apóia em toda as empreitadas!

Sou formado em administração e tenho alguns cursos técnicos,

Atualmente trabalho em uma empresa de eletrônicos com varias subsidiárias espalhadas ao redor do mundo!

Faço parte da equipe de melhoria, juntamente como o departamento R&D e engenharia da empresa, o que só contribui para o meu desenvolvimento pessoal e profissional.

Tenho como hobby estudar eletrônica e programação. Me divirto muito fazendo experimentos e desenvolvendo projetos particulares.

Tenho o objetivo em abrir um negocio próprio na área de automação industrial.

Criei este site com o objetivo de compartilhar meus projetos e adquirir mas conhecimento a cada dia.

Quando menino tive a oportunidade de conhecer uma pessoa, que sempre me dizia:  Vamos aprender mais e mais a cada dia, pois saber não ocupa espaço.

Então vamos lá!

Espero que gostem das publicações e tenham um bom proveito das postagens.

Um grande abraço a todos!

Pablo Dellamonica Binotto.